Conhecendo o Equador

Quito a noite

Capital: Quito
22 províncias
População: 13,2 milhões (2004)
Idiomas: Castellano (oficial) e Quíchua
Moeda: Dólar
Eletricidade: 110 v
Hora Oficial: GMT -5h, Galápagos GMT -6h (Menos duas e três horas de Brasília).
Cidades: Guayaquil (1.985.379), Quito (1.399.378), Cuenca (277.374).

Já falamos, em outro post, sobre clima do Equador. Agora, separamos alguns dados importantes para quem pretende conhecer o país.

O país não faz fronteira com o Brasil, a exemplo do Chile, e ainda é um pouco desconhecido de grande parte dos brasileiros. É um dos países menos visitados por nós na América do Sul.

O Equador tem 283.561 km², e uma população de 12.646.095 habitantes. Ou seja, em uma comparação um tanto grosseira, é mais ou menos o tamanho do estado de São Paulo com a população da cidade de São Paulo.

Apesar de ser pequeno, o Equador conta com regiões distintas e muito interessantes, que vão desde as Ilhas Galápagos, o litoral no Pacífico (costa), os Andes (serra) até a região amazônica.

O idioma oficial é o espanhol, mas o quíchua também é falado por uma parcela da população, além de outras línguas indígenas.

Quanto a moeda, o Equador adotou o dólar em sua economia em 2001, o que não é muito bom para os brasileiros nesses tempos de dólar em alta. Apesar disso, o Equador ainda é considerado um país barato.

Além das Ilhas Galápagos, que atraem muitos visitantes, no continente o país tem muitos lugares interessantes, que valem uma visita. Como a capital Quito e as cidades de Guayaquil e Cuenca.

Fonte: WelcomeEquador.com
Foto: L.Marcio_Ramalho (Quito a noite)




Veja também:

Cataratas del Iguazú Não estranhe a grafia do título, mas dessa vez conheci o lado argentino das Cataratas do Iguaçu (ou Cataratas del Iguazú). En outro post já expli...
La Paz, Bolívia Plaza Murillo, no centro da cidade Confesso que Uyuni não havia me dado uma boa impressão da Bolívia. Estradas horríveis e a pouca estrutura nas c...
De Buenos Aires a Valparaiso, de ônibus Em geral, costumo ser contra fazer viagens tão longas de ônibus, mas quando não estamos sós, muitas vezes somos obrigados a mudar um pouco o roteiro...

Deixe uma resposta

Projeto Latinoamérica

Newsletter:

Insira seu e-mail: