lanterna

Li certa vez, que é de bom tom, em dormitórios coletivos de albergues, ter sempre uma lanterna por perto, para o caso de chegar tarde e as outras pessoas estarem dormindo, não incomodar ninguém. Confesso que achei um certo exagero e, quando vi alguém usando esse artifício pela primeira vez, até achei engraçado. Mais tarde, percebi que o respeito é fundamental para uma boa convivência entre estranhos.

Pois bem, chegou minha vez de chegar mais tarde que os outros, em um quarto totalmente escuro. Com a porta um pouco aberta, tive luz suficiente para chegar até minha mochila e pegar minha escova de dentes mas, na volta, tinha que fechar a porta e atravessar o quarto, no escuro, para chegar até minha cama. Arquitetei uma rápida estratégia para fazer esse percurso e fui.

Fui tateando uma parede e caminhando bem devagar e com o máximo silêncio possível. O que não contava, é que muitos hospedes não guardam todos seus pertences nos lockers (armário com essa finalidade), deixando coisas pelo chão. Não preciso dizer que devo ter acordado as outras cinco pessoas com o tombo que levei e um “ai” que saiu meio sem querer. Depois de tanto barulho, restou dizer um sorry (baixinho), deitar e tentar dormir. Mesmo que um pouco dolorido.

Veja também: Arrumando a mochila: o que levar

O pior de tudo é que eu tinha uma pequena lanterna em algum canto da mochila. Na noite seguinte foi uma maravilha, só faltou eu ir pulando.

E se aquela inglesa, da cama da frente, um dia ler isso: Eu ouvi você dando risada, viu?

Foto: Sxc




5 Comentários
  1. Hahahahahaha. Eu também ia rir……
    Cara, tou adorando acompanhar vc via blog….
    Beijocas

  2. Valeu Aninha! Se meter em roubadas é comigo mesmo 🙂

  3. Não preciso dizer que adorei ler de novo (a primeira vez foi a versão resumida para msn, rs) essa sua
    “aventura” noturna… dolorida, mas engraçada!

    Vou te acompanhar de pertinho, meu fofinho!

    Bjinhosss da Lê

  4. Oi!
    Achei super legal a sua experiência, eu estive em Buenos Aires em março/2010 e mesmo tendo lido todas os blogs possíveis o bom mesmo é vivenciar e não deixar de aproveitar, tanto para conhecer pessoas novas como a cultura do que é ser alberguista.
    Realmente o pessoal deixa tudo espalhado pelo chão, a minha experiência foi voltar para o quarto no meio da madrugada e encontrar um casal de australianos dividindo a mesma cama de solteiro, o cara deu um pulo daqueles que não tivo como deixar de rir, depois assim como você, um “sorry” foi o suficiente para ir dormir, no outro dia eles me pediram desculpas, dai eu falei que “no problem”.
    Parabéns pelo blog!

  5. Oi Carlos, fico feliz que tenha gostado do blog. Vida de alberguista é imprevisível. A gente vê de tudo 🙂
    Tinha que começar a escrever essas situações. Essa deve ter sido a que mais me senti envergonhado mas, no fim das contas, nos divertimos muito.

    Grande abraço!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.