Formas de viajar: qual o seu ritmo?

Formas de viajar: qual o seu ritmo? viagens cultura El Bolsón, Argentina

Muitas pessoas, levando em conta o tempo e o dinheiro que têm para viagem, armam seus roteiros afim de aproveitar ao máximo. Ninguém imagina passar um dia inteiro vendo tv e comendo pipoca estando em outro país. A sensação de um dia perdido, fazendo algo tão trivial, é imediata. Afinal, para quê sair de casa para fazer tal coisa?

Eu talvez seja o avesso de todas essas teorias de viagem. Aproveitar o tempo é algo que pode dar uma boa discussão. Passar os dias andando de um lado para o outro, entrando e saindo de museus, igrejas e tirando uma centena de fotos pode parecer um aproveitamento de tempo, mas também pode ser cansativo, enfadonho, chegando ao ponto de não diferenciarmos mais nada. Talvez depois, pela fotos, dê para pensar mais no que foi visto.

Gosto de fazer as coisas devagar. Tirar férias para conhecer dois museus e três igrejas por dia, para mim é loucura. Uma pessoa pode ir para Itália, e conhecer a cultura etrusca, romana, bizantina, românica, gótica, renascentista, barroca, neoclássica, moderna e contemporânea em três dias e achar normal.

Uma viagem também pode ser prazerosa quando deixamos um pouco de lado os pontos turísticos e passamos uma tarde com os habitantes locais, esquecendo um pouco aquele guia de viagem que nos leva sempre aos mesmos lugares.

É claro que pontos turísticos são importantes, afinal não são chamados assim à toa. O que quero dizer é que uma viagem também pode ser prazerosa quando deixamos um pouco de lado os pontos turísticos e passamos uma tarde tomando café (ou mate, cerveja, vinho…) com os habitantes locais, ou caminhamos sem destino pela cidade, esquecendo um pouco aquele guia de viagem que nos leva sempre aos mesmos lugares. É esquecer do tempo e relaxar um pouco.

Conhecer a cultura de outro país também é conhecer as pessoas, sua comida, sua música… É assistir a televisão local, ouvir rádio, comprar jornal, ler classificados… É ir no mercado, andar de ônibus, comprar frutas na feira, fazer churrasco e não ir só em restaurantes, é tentar viver um pouco a vida local, mesmo que por poucos dias. Lembro que só fui conhecer o famoso bife de chorizo na minha terceira viagem a Argentina. Antes disso, quando eu comia carne assada, era dos churrascos que fazíamos nos hostels, preparado por amigos Argentinos. Eu abria mão de conhecer o que ofereciam em todos os restaurantes, para comer o que se come entre amigos. Tem lá suas vantagens…

E você, qual o seu ritmo de viagem?


2 Comentários
  1. As vezes tenho uma ansia louca de conhecer o maximo de coisas possiveis. Mas realmente dar-se o tempo de curtir o lugar com tranquilidade e permitir-se mergulhar sutilmente na cultura local é o que realmente pode te marcar com mais profundidade. Cada um tem que descobrir seu proprio ritmo,mas sempre bom refletir sobre o que voce esta buscando quando viaja… tirar fotos p/ mostrar p/ os outros? Convencer-se que conhece mtos lugares? aproveitar cada segundo? entender e sentir a cultura local? conhecer pessoas?

  2. Legal Vitor, é verdade, cada um tem seu próprio ritmo, interesses, curiosidades…

    Só viajando para descobrir :)

    abraço

Deixe uma Resposta.