Córdoba: saindo com o pé esquerdo

taxi cordoba

‘Roubada’ de viagem ocorrida em 2009:

Ontem foi meu último dia em Córdoba e acho que escolhi uma data meio ruim para sair da cidade: o dia do jogo de futebol Argentina vs Brasil, pelas Eliminatórias para Copa do mundo. E meu destino era ainda pior: Rosário, local onde aconteceu o jogo.

Mesmo sendo um dos poucos brasileiros que vestiram a camisa da Argentina, literalmente, passei todo o dia pensando em como seria minha chegada em Rosário se o Brasil vencesse o jogo.

Poucas horas após o jogo, que o Brasil venceu e deixou milhões de Argentinos frustrados, peguei um táxi para a rodoviária. O taxista de cara me perguntou de onde eu era e eu, meio envergonhado, disse que era brasileiro. Ele deu risada e fomos conversando sobre futebol durante o caminho. Na hora de pagar dei uma nota de 20 pesos. Ele me devolveu a nota dizendo que era falsa e que não poderia aceitar. Fiquei preocupado pensando aonde haviam me dado aquela nota e dei outra nota de 20 para o taxista. Mais uma vez o cara me devolveu dizendo que também era falsa, e que eu tinha que tomar cuidado porque havia muita falsificação na Argentina. Eu, meio sem escutar, fui juntando todos os trocados e moedas para consegui pagar o taxista.

Já na rodoviária, esperando o ônibus, continuava pensando aonde havia conseguido aquelas notas falsas, desconfiando de todos: seria o bar da esquina ou aquela estadunidense que perguntou se eu tinha troco para 20? Ah, no hostel me deram uma nota de 20 também!

Depois de algum tempo, fui olhar com calma as notas que o motorista havia me devolvido. Eram cópias vagabundas de cédulas de 20 pesos, que na correria e na escuridão, não pude perceber. Ou seja, quem havia me dado as notas falsas era o próprio taxista, que trocou as originais sem que eu percebesse.

Já tinha lido em alguns lugares que taxistas de Buenos Aires que ao receberem uma nota de 100 pesos, por exemplo, pegam a nota e trocam rapidamente por uma nota falsa, devolvendo ao passageiro dizendo que não tem troco e, dessa forma, embolsam os 100 pesos dos turistas desavisados. Mas nunca imaginei que aconteceria isso comigo em Córdoba. Me preocupei tanto com Rosário que acabei me esquecendo de Córdoba.

Após a terrível derrota da equipe da Argentina, ao menos um argentino ontem foi vingado: o maldito taxista que me levou 40 pesos.


Por Rodrigo Souza

Editor e idealizador do Projeto Latinoamérica. Google+

8 comentários

  1. Argentino filho da puta! Falei pra você, essa camiseta que você comprou dá um azar lascado. Queima essa merda em praça pública.

  2. Hahaha, agora já foi.
    Só estou com um pouco de trauma de taxistas, faço quase tudo caminhando.
    Ah, volto a vestir a camiseta nessa quarta (até botei uma foto com ela em “sobre”) no jogo contra o Paraguay.
    O ruim é que também gosto do Paraguai.
    Enfim, mas um jogo que estarei dividido 🙂

  3. Também vou torcer para a Argentina, não quero que eles fiquem de fora da Copa. Na verdeda eu quero que eles entrem no mesmo grupo do Brasil. HAHAHAHA…

  4. Olá Rodrigo! Estava pesquisando no google sobre Córdoba, já que pretendo ir com amigos no final do ano, e vi o seu post. Queria trocar umas idéias, saber os principais lugares p/ agente conhecer na cidade, e não passar por apuros como os que vc passou..se puder me add no msn p/ eu poder conversar contigo: ekahori@hotmail.com Obrigada!

  5. Ok Erika, adicionado. Mas se você ler os outros posts vai ver que esse foi o único problema em Córdoba. A cidade é muito bonita e as pessoas agradáveis. Um dia ainda vivo por lá 🙂

  6. Nossa que horror!! Lembro que falaram um monte para cuidar com os táxis mesmo, agente tava até com muito medo, mas no fim é tão prático usar táxi na Argentina (baratinho e rápido, tem muito táxi mesmo né), que no meio do caminho agente acaba se deixando acostumar mesmo!

  7. Aconteceu EXATAMENTE a mesma coisa comigo! E com notas de 20 também! Fui pagar o táxi, o cara me disse que era falsa, dei outra, era falsa, acabou que eu paguei tudo em notas de 2 pesos, e moedinhas de 1. Terrível, e o pior, é que depois fui analisar meu dinheiro, e descobri que nao eram somente os 40 pesos, e sim, 120 pesos falsos! Me roubaram 60 reais, esses desgraçados!

  8. É Hannane, o jeito é sempre pedir para acender a luz e antes de entregar o dinheiro, olhar contra a luz para ver se tem a marca d’água (a carinha). Não tem como ele dizer que é falsa se você conferiu na frente dele. No caso de ele voltar troco, também fazer a mesma coisa, nota por nota.
    abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.